Arrastar os pés ao caminhar pode ser um sinal de Parkinson

O tremor é o sintoma mais conhecido do Parkinson. Mas antes de ele surgir e de a doença ser diagnosticada, muitos pacientes percebem mudanças no organismo, não associadas a ela. No livro Parkinson’s Disease: Diagnosis and Clinical Management (Doença de Parkinson: Diagnóstico e Controle Clínico), um capítulo fala dos primeiros sinais, aqueles que passam despercebidos. Um sinal que atenção é o paciente arrastar os pés ao caminhar, aumentando o risco de tropeços e quedas. Este sintoma, segundo o livro, se manifesta principalmente em momentos de fadiga e pode ser notado pelo desgaste irregular da sola do sapato. Vale o alerta e o cuidado em pisos irregulares.

A seguir, veja uma lista com outros sinais iniciais da doença de Parkinson, que nunca são associados a ela.

– A dor é um dos sinais iniciais da doença de Parkinson. Esta é a conclusão de um estudo que mostrou que a dor pode ser um marcador importante da doença e surgir antes mesmo de qualquer comprometimento motor. O estudo que classifica a dor como um pródromo, ou seja, um sinal que indica o início de uma doença antes que os sintomas clássicos apareçam, foi conduzido no Instituto de Neurociências de Bangur, na Índia. Para conduzi-lo, os pesquisadores analisaram o histórico médico e os tipos de dores sentidas por 500 pessoas acima de 50 anos. Os participantes foram divididos em dois grupos: um grupo de controle (sem a doença) e um grupo em estágio inicial da doença. Foi constatado que o grupo já afetado pelo Parkinson teve mais dores que o outro. Mais sobre este estudo aqui.

– A perda do olfato também pode ser um dos primeiros sinais da doença de Parkinson. Um estudo publicado no periódico Neurology mostrou que pessoas com olfato reduzido têm o risco de desenvolver Parkinson aumentado em cinco vezes. De acordo com o professor de epidemiologia Honglei Chen, da Michigan State University College of Human Medicine in East Lansing, nos Estados Unidos, que conduziu o estudo, a perda olfativa é pouco percebida ou ignorada por muito tempo e pode surgir anos – até seis anos, como notou – antes de se chegar ao diagnóstico de Parkinson. Chen avaliou, durante uma década, mais de 2500 homens e mulheres, com idade média de 75 anos, antes de chegar à conclusão publicada. Leia mais informações aqui.

– Um estudo publicado na revista científica Radiology mostra que mudanças no sistema visual podem estar ligadas ao Parkinson e surgem antes de qualquer outro sintoma evidente. Ou seja, alterações na visão podem ser sinal de Parkinson. De acordo com o oftalmologista responsável pelo estudo Alessandro Arrigo, da Universidade Vita-Salute San Raffaele, na Itália, a visão dos parkinsonianos apresenta diversas diferenças se comparada a de pessoas saudáveis da mesma idade. Após realizar exames de imagem por ressonância magnética com os participantes, foi possível detectar alterações nas estruturas dos olhos dos pacientes de Parkinson, o que não aconteceu com os demais. Arrigo afirmou, em entrevista coletiva sobre seu estudo, que os sinais podem anteceder os sintomas motores em mais de uma década. Leia mais aqui.

– O distúrbio comportamental do sono REM, que provoca movimentos bruscos e muita agitação durante a noite, pode ser fator de risco para o Parkinson. Um estudo conduzido na Universidade de Toronto (Canadá) sugere que quem tem o sono inquieto pode, eventualmente, ter mais chances de desenvolver doenças neurológicas, como Parkinson e formas de demência. Ou seja, noites agitadas, cheias de movimentos rápidos e bruscos, servem como sinal de alerta. De acordo com John Peever, autor do trabalho, o distúrbio ocorre durante o sono REM, como o nome sugere, fase na qual a atividade cerebral está mais rápida. Em pessoas com cérebros saudáveis, os músculos se aquietam durante esse estágio do sono. Peever calcula que 80% das pessoas com distúrbio comportamental do sono podem desenvolver algum problema neurológico. E, o mais curioso, é que este sinal pode ser dado 15 anos de o diagnóstico de uma doença ser efetivamente feito.

Atualizado em 10/09/2019.

Deixe um comentário