Nova droga para Parkinson é testada

09/08/2017

Pesquisadores da Universidade Binghamton, nos Estados Unidos, desenvolveram uma nova droga para Parkinson, que pode reduzir a progressão da doença e também aliviar os sintomas em seus pacientes.

 

A nova droga para Parkinson, chamada de D-512, mostrou-se eficiente – nos primeiros testes realizados em ratos – no controle dos sintomas da doença e no aumento do tempo em que faz efeito.

Os pesquisadores compararam sua ação ao do ropininol (agonista dopaminérgico). Esta substância, amplamente usada no tratamento da doença, é muito útil no início do diagnóstico, mas, em alguns pacientes, perde a força com o tempo e, em nenhum momento, freia a progressão do Parkinson.

Nestes primeiros estudos, os pesquisadores também observaram que o D-512 produz menos efeitos colaterais que as medicações disponíveis no mercado. Isto é uma excelente notícia pois, com o tempo, pacientes que usam as drogas antiparkinsonianas tendem a desenvolver discinesias, movimentos repetitivos involuntários. D-512 talvez não os produza.

D-512 foi testada apenas em ratos, até o momento. Ou seja, esta nova droga para Parkinson se encontra em testes pré-clínicos. Aspectos de segurança ainda precisam ser analisados antes de ela ser testada em seres humanos. Isto significa que o caminho até a aprovação final ainda é longo.

O neurocirurgião Erich Fonoff, um dos principais especialistas brasileiros em doença de Parkinson e diretor técnico do canal Parkinson Hoje, fala sobre a D-512:

“D-512, embora esteja em testes pré-clínicos, passou a ser uma droga interessante, pois tem efeitos antiparkinsonianos similares ao de outros agonistas dopaminérgicos, mas com maior duração. Isso permite efeito sustentado por várias horas e, possivelmente, os pacientes necessitarão de uma dose diária apenas.”

Atualizado em 10/08/2017.


Participe da comunidade Parkinson Hoje no Facebook.